Se levo esse sorriso…

O título deste post foi roubado sem nenhuma vergonha de um post no Blog do Conrado Adolpho, meu maior inspirador no marketing digital. Mas vou chegar lá!

Sempre achei legal esse mundo de computadores e tecnologia, desde sempre fui um entusiasta. Mas minha família não tinha condições de comprar um computador, então eu ia na casa de amigos ou lan houses utilizar internet, navegar no Orkut e utilizar MSN.

Uma dúvida que norteava minha cabeça era: por que as pessoas investem tanto para fazer sites como se ninguém paga para acessá-los? Isso durou um bom tempo sem eu saber a resposta.

Certo dia, quando eu estava no primeiro ano do ensino médio, um homem foi até minha escola oferecer um curso de PHP, prometendo que eu teria uma profissão caso o fizesse. Meus pais deram um jeito e entrei no curso. As aulas eram péssimas e eu precisava treinar em um computador público. Não aprendi nada mas serviu para fomentar minha vontade de trabalhar com Internet.

Fiquei mais ou menos dois anos estudando como fazer sites, mas me desenvolvi muito pouco, isso ainda em casas de acesso à internet. Foi então que, aos 17 anos, entrei na faculdade, já inspirado por grandes líderes do segmento – nenhum deles era profissional de criação.

Uma das primeiras cosias que fiz na universidade – depois de fazer algumas festas – foi ir conhecer a biblioteca do campus. Nesse momento eu estava meio desapontado com o negócio de desenvolver sites porque, mesmo dando dinheiro, era um assunto muito técnico, longe de pessoas. E uma das coisas que tenho em minha vida é que o importante são as pessoas, e gosto de entendê-las. O que não é possível sendo um profissional técnico.

Foi aí que, andando pela biblioteca, encontrei o livro Google Marketing, que se tornaria Os 8ps do Marketing Digital. Nesse momento encontrei o que eu queria: unir meu gosto por internet com relacionamento pessoal, contato direto com pessoas – mesmo que virtualmente.

Em pouquíssimo tempo devorei o livro por completo – quase que duas vezes. Absorvi tudo que pude. Desde então, Conrado se tornou meu mentor dentro daquilo que eu esperava para minha vida.

Comecei a me conectar com pessoas de interesse comum, trocar informações, pensar estratégias e soluções. Tudo on-line e teórico, já que não tinha nenhum cliente.

Foi um bom tempo assim, até que na metade do primeiro ano de faculdade conquistei meu primeiro cliente. A ideia dele era desenvolver um novo site. Topei pois precisava muito do dinheiro e pela possibilidade de me aproximar do marketing digital e, principalmente, para aprimorar meu conhecimento.

Foi difícil mas venci. Vejo ele hoje e não sinto muito orgulho, mas foi o divisor de águas para que eu entrasse de vez no mercado.

No final do ano, fechei com um site para fazer a otimização, SEO. Foi mais um trabalho difícil e gratificante. Conquistei cada vez mais e mais clientes.

Boa parte deles sempre queria desenvolvimento de sites, mas, hoje, estou conseguindo reverter este cenário.

Mais de 70% deles contrata serviços de SEO e links patrocinados. Com isso, estou fazendo aquilo que realmente gosto e ganhando um prêmio por isso que vale muito mais que o dinheiro que me sustenta e serve para ajudar meus pais: vários depoimentos satisfeitos, além de, a melhor parte, muitos clientes que transformei em amigos que já extrapolou o digital.

Isso tudo eu devo a minha vontade de vencer e não desistir. Principalmente a partir da leitura do livro do Conrado, que norteou e até hoje me guia nessa trajetória, biografia a qual expandi com outros autores.

Esta foi uma minúscula prévia e um resumo da minha vida no marketing digital – mais precisamente o trecho da história (parte dele) que envolve os 8ps.

Muito obrigado, Conrado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *