Minha experiência no Startup Weekend Santa Maria

Primeiro de tudo, alguns pontos rápidos:

Se você não sabe o que é Startup Weekend, em resumo: 54 horas de aprendizado, trabalho em equipe, e muito esforço para tirar seus projetos do papel e colocá-las em prática.

Se você está aqui para saber se deve participar de uma edição do evento, a resposta é sim, não perca tempo.

Precisa levar um projeto para ser executado no Startup Weekend? Só se quiser. Se não, você poderá ajudar a executar uma ideia de outro participante.

Vamos lá!

Tem um tempo que acompanho eventos de startup e este universo como um todo. Mas foi por acaso que encontrei a edição de Santa Maria do Startup Weekend. Na hora decidi que iria. Para saber mais, pesquisei um pouco. Encontrei um vídeo da edição de Brasília.

Tá bom. O evento é legal. Com certeza não será tão legal quanto no vídeo, mas deve ser muito bom. Me enganei completamente. O evento é tão bom quanto apresentado no vídeo.

Desde o primeiro momento,o facilitador do evento, Hiro Miyakawa, deixou a galera animada o tempo todo – especialmente nos momentos mais tensos.

Sim, você tem talentos suficientes para participar do evento, só um aviso: procure ajudar a equipe de alguma forma prática que não apenas palpites no trabalho de todo mundo. Conversar é importante, mas o evento é justamente para que você fale menos e ajude mais.

Como funciona

Começa na sexta-feira à noite. No sábado, das 08h às 22h. Domingo idem. Você descansa o quanto quiser ou trabalha o quanto quiser neste período. Mas todo mundo tem a mesma percepção: cada minuto é importante nestas 54 horas.

Sem entrar em detalhes do que é feito em cada dia (isso tem no Google), vou detalhar o que encontrei de bom por lá.

Pessoas são o que há de melhor no mundo. No Startup Weekend não seria diferente. Durante 54 horas mentores e participantes estão cheios de energia para gerar o máximo de conhecimento possível. Muita gente pensando diferente gera conflitos, é claro. Mas isto são detalhes, o importante são as lições que ficam.

Sim, sair de lá com um projeto vencedor é a menor parte. Evidentemente, ganhar é legal. Mas ganhar significa que o projeto era o mais maduro no momento da escolha dos vencedores. O que importa é o que você faz com essas conquistas depois que sai do evento.

Dentre os mentores, o que mais me agradou ouvir foi o colombiano Diego Rios, fundador do Tarefa.co, empresa criado no Startup Weekend. Sua experiência, paciência e vontade de ajudar são incríveis.

Principais lições

As melhores coisas que trouxe destas 54 horas, em resumo:

  • A equipe trabalha duro para fazer um evento incrível
  • As pessoas que participam estão dispostas a ajudar
  • Você irá, necessariamente, encontrar novos amigos
  • Ideias não tem valor nenhum. Sua grande ideia será derrubada por um mentor
  • Comece de novo
  • Recomeçar com a mesma ideia é burrice.
  • Aceite opiniões divergentes
  • Veja só: ganhar acaba sendo a menor parte diante de todas as experiências que ficam na bagagem.

Este post é um breve (bem breve) resumo do que se encontra em um Startup Weekend e o fiz mais com o objetivo de se tornar um arquivo pessoal e eventualmente inspirar novos interessados.

Nenhum post que você encontra na internet será tão fiel á experiência quanto sua participação in loco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *